Empresário caipora

Declare a liberdade, aristocrata!
Bolero não chama chuva e a coluna não faz curva.
Seu dia-a-dia frenético judia seu cérebro caquético.
Tire essa gravata estranguladora e tome matte leão,
todo esse petróleo só te leva a abaixo do chão.
Saia do prédio e venha para o bosque,
colher cogumelos e assar marshmallows.
Não se desespere,
aquele jovem ancião com vinho barato
é erudito em preparar um lagarto.
Junte-se a trupe para badernar o pacato
Esqueça toda tralha!
Só lembre da toalha,
da rede
e do chapéu de palha.
Antes um fidalgo elegante,
agora um eremita errante.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s